Dieta Macrobiótica – O poder do Yin e Yang


A dieta Macrobiótica consiste em uma alimentação natural e equilibrada, seguindo os princípios do Yin e Yang. Acredita-se que ao seguir uma dieta com esses princípios, conseguiremos ter uma vida longa e com harmonia entre o físico e mental. Este tipo de dieta enfatiza os grãos e alimentos naturais e rejeita qualquer alimento processado, industrializados e que tenham passado por alguma adulteração química.

As pessoas atraídas por essa dieta são geralmente, pessoas que procuram por uma abordagem holística e equilibrada para a saúde física e espiritual. Várias celebridades são adeptas dessa dieta como Gwyneth Paltrow ou Madonna, que segundo pesquisas, ajuda a reduzir os risco de câncer, assim como pode ser um grande aliado no tratamento de portadores de cancros.

A origem dessa dieta faz parte da filosofia oriental e foi trazida para o Ocidente por George Ohsawa, no final de 1950, após ele ter se curado de uma doença grave, adotando uma dieta simples de arroz, sopa de miso e algas. Depois de recuperar a sua saúde, George Ohsawa criou a Dieta Macrobiótica, integrando a filosofia oriental e ocidental à alimentação e estilo de vida, onde o principal objetivo está diretamente relacionada à saúde, felicidade, e bem estar.


Confira: Gel Redutor de Medidas, Flacidez e Estrias >>>

Regras da Dieta Macrobiótica

Os alimentos são classificados em duas categorias: Yin e Yang. Na filosofia oriental, os “opostos”, são as forças que se opõem conhecido como yin e yang. Yin, representante de um movimento interno centrípeta, produz a contração, enquanto Yang, representante de um movimento de centrífuga, resulta em expansão. Além disso, yin é considerado frio, enquanto o yang é quente, yin é doce, yang é salgado, yin é passiva, yang é agressivo.

A dieta macrobiótica enfatiza o consumo de alimentos naturais, com bastante consumo de alimentos crus, com a inclusão do peixe e grãos integrais, como arroz integral e cereais integrais, como cevada, centeio, aveia, amaranto entre outros. Recomenda-se também focar em frutas e verduras da estação.

Outra recomendação importante é em relação à “mastigação”, que deve ser bem feita pausadamente, para que os alimentos sejam melhor digeridos e absorvidos pelo organismo. Além disso, o açúcar e a ingestão de bebidas estimulantes, como o café, refrigerantes e álcool devem ser evitados, já que eles podem afetar negativamente a digestão e a saúde do seu corpo, em geral.

Alimentos permitidos diariamente:

50% de grãos inteiros
Incluindo arroz, alimentos feitos com trigo integral, cevada, milho e trigo sarraceno. Grãos mais refinados (aveia, massas, pães e farinhas), podem ser consumidos, porém com moderação.

25% de legumes da estação
Crus ou cozidos utilizando métodos tradicionais, como cozinhar ou à vapor. O consumo de verduras crucíferas, como repolho, brócolis, couve-flor deve ser diário, assim como verduras de folhas verdes como couve, rúcula, alface, agrião, além de cebola, nabo, abóbora, rabanete. Os vegetais que não forem consumidos crus, devem ser cozinhados em vapor ou salteados com uma pequena quantidade de óleo de cozinha não refinado como óleo de gergelim ou óleo de milho.

10% proteína alimentos, com ênfase em peixes e leguminosas (feijões)
Leguminosas como ervilhas, feijão azuki, grão de bico, lentilhas e feijões de vários tipos devem ser consumidas de 2 a 3 vezes por semana, assim como peixes como linguado, solha, bacalhau, truta, entre outros.

5% algas (nori ou algas)
Esses alimentos são ricos em vitaminas e minerais e devem ser consumidos se possível em todas as refeições e inclui-se wakame, hiziki, kombu, agar agar e nori.

5% Sopas (especialmente misoshiro)
Sopas e caldos compreendem 5-10% da ingestão alimentar. Sopas contendo miso (pasta de soja), vegetais e grãos são aceitáveis.

5% de fruta, nozes ou sementes
Dê preferência para as frutas da estação e sempre frescas ao invés de congeladas. Sementes como nozes, amêndoas, castanhas, sementes de girassol entre outras podem ser servidos como aperitivos, levemente assados e polvilhados com sal marinho.

Alimentos que devem ser evitados

Os alimentos a evitar são aqueles que ficam nos extremos do yin e yang, os quais trazem desiquilíbrio ao organismo:

* Açúcar, álcool, mel, café, refrigerantes, chocolate, farinha refinada, condimentos picantes, conservantes e ingredientes alimentares artificiais, tais como corantes e condimentos artificiais, produtos lácteos processados (leites comerciais e queijos cremosos), legumes e óleos de baixa qualidade ( yin alimentos)
* Carnes vermelhas, aves, ovos, gorduras animais (manteiga, banha) e sal refinado (alimentos yang)
* Frutas tropicais como manga, abacaxi e mamão
* Legumes como tomate, batata, berinjela e beterraba.

Observações importantes

* Adoçantes naturais podem ser utilizados, tais como xarope de arroz, malte de cevada, stévia e amasake. Vinagre de arroz e vinagre de ameixa umeboshi pode ser usado ocasionalmente. Adoçantes artificiais devem ser evitados.
* Os óleos preferidos são os óleos de sésamo, gergelim ou de milho.
* Condimentos e temperos permitidos são apenas o sal natural marinho, vinagre de arroz, raiz de gengibre ralado, picles fermentado e tamari (molho de soja natural).
* Você não deve comer perto da hora de dormir.
* Usar sempre água potável para o cozimento dos alimentos.
* Mastigar muito bem os alimentos e manter a boa postura.
* Evitar o uso do microondas;
* Usar panelas feitas de madeira, barro, ferro, vidro, cerâmica, aço inoxidável e peças esmaltadas.
* Dar preferência aos alimentos orgânicos, cultivados sem adubos e agrotóxicos químicos.
* Comer de acordo com a estação. Por exemplo, na primavera e no verão, consuma alimentos mais leves, levemente cozidos no vapor ou consumidos crus. No outono e inverno, recomenda-se os alimentos mais concentrados, tais como raízes vegetais e grãos mais pesados.

Benefícios da dieta macrobiótica:

Como a dieta enfatiza alimentos naturais, beneficia a saúde como perda de peso, redução do colesterol e pressão sanguínea elevada. Também pode beneficiar pessoas que tem doença celíaca ou intolerância ao glúten, assim como portadores de câncer.

Lembre-se sempre de ter um acompanhamento de uma nutricionista, pois a adesão inadequada pode resultar em deficiências de proteínas, cálcio, zinco, ferro, vitamina B12, vitamina D, e magnésio. Ingerir um número adequado de calorias é importante para aqueles em estado de crescimento, tais como crianças e mulheres grávidas ou lactantes.

Adicionar a favoritos link permanente.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *